A primeira vez.

É a primeira vez que me sinto/fico sozinha depois do término. Faz 5 dias e a ficha só está caindo hoje de que acabou.
Não vou ver mais seus olhinhos de cada cor e te encher de beijinho, não vou poder falar “eu te amo” a cada merda que lembro que fiz e ouvir você dizendo “eu também te amo”; voltam os receios da solidão e da carência, fica essa sensação de vazio de vez em quando e eu não sei o que fazer.
Há um ano a gente se mudava. Apartamento novo, cadeiras e mesas, cama, geladeira e o fogão que nunca chegava, tudo isso parece longe demais. Faz dois anos que estávamos loucamente apaixonados, sua formatura, nossa felicidade, seus receios e meu acalento.
Eu só queria um abraço. Pela primeira vez na vida não consegui dar um último beijo, por mais que você tenha me pedido. Talvez porque foi a primeira vez que eu dei o tiro que matou uma relação e eu não queria ser a pessoa que começou e terminou esse namoro. Talvez foi só porque aqui dentro, em algum lugar escondido, eu não quero acreditar que a gente chegou no fim.
Faz três dias que trabalho e saio de casa, que curto a vida e as coisas a minha volta como elas realmente são: A única coisa ao meu alcance nesse momento.
E eu vejo resquícios de outros em mim, porque eu não sei lidar com esses fins. Tem aquela sensação da primeira vez que eu vi o primeiro cara que partiu meu coração, a taciturnidade do moço que não sorria tanto e a sua frustração por eu não ser o que você gostava mais.
Atente que não estou me fazendo de vítima, eu também não gostava mais de você. Na verdade, terminar essa relação estava na minha cabeça há muito tempo, mas como nós somos pessoas maravilhosas eu sempre conseguia segurar. Eu já não suportava mais o seu descaso distraído, a sua mania de não se dedicar aos presentes como eu me dedicava, ao seus jeito quadrado que não nos permitia viajar de uma maneira tranquila e barata. De certa maneira eu acho que me perdi muito tentando viver do seu jeito, e você se desgastou muito tentando se desconstruir.
O que eu sinto é que a paixão acabou e sobrou apenas essa coisa livre que é o amor. Mas se o amor é livre, por que você teimava tanto em me prender? Por que eu não podia ter amigos e amigas? Por que eu não podia me divertir com outras pessoas e espalhar o meu amor? Por que você queria passar TODO o seu tempo AMANDO UMA PESSOA SÓ?
Eu não sou assim, eu não amo um, eu não amo uma, eu amo vários e várias. Eu me jogo no mundo pra dançar e me divirto até dizer chega, tropeços sempre existirão, mas a gente levanta de toda a queda e segue em frente, porque não tem mais pra onde ir e uma hora ficar parada cansa.
Eu fiquei parada por 3 anos, três anos divertidos mas com uma leve sensação de prisão.
É a primeira vez que eu fico sozinha em três anos, eu escrevi esse texto porque estava assustada, mas agora sinto que sei exatamente aonde ir.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s